Volume
Redes
Sociais
Simone e Simaria relatam busca por corpo de pai, enterrado como indigente
03/11/2016 - 14h20 em Música

Durante entrevista ao programa 'De cara', da rádio O Dia, irmãs falaram sobre perda do pai há mais de 20 anos e o processo de exumação do corpo.

 

Simone e Simaria se emocionaram ao relatar um drama familiar durante participação no programa "De Cara", na rádio FM O Dia nesta quarta-feira, 2. Na entrevista, as irmãs relembraram o passado e contaram aos apresentadores que o pai delas foi enterrado como indigente.

"A gente não tinha dinheiro, não tinha nada. A gente morava numa casa de tábua, no meio do garimpo, que é onde você vai pra pegar diamante, pra ver se acerta na vida. Era o Garimpo do Arroz, um lugar muito perigoso. Todos os dias a gente via pessoas mortas na porta de nossa casa, assassinadas mesmo. Foi muito triste nossa infância com nossos pais. Minha mãe sofreu muito com meu pai. A gente não tinha nada na vida, estávamos ali tentando achar uma pedra. Aquele sonho de nordestino, que acha que vai achar uma pedra e vai mudar de vida, salvar a família. Meu pai estava sempre buscando uma vida melhor para nós duas", contou Simaria.

"Ele tinha 44 anos e foi tomar banho. Minha mãe chamou. Meu pai era assim, quando minha mãe chamava, ele respondia logo. E a gente era louca nele. Ele era incrível. Ele não respondeu. A casa era de madeira, quando olhei pelas frestas, vi ele deitado no chão, lembro até hoje, com a água caindo nos pés", seguiu a cantora, bastante emocionada.

Simone, então, seguiu com o relato. "Como minha mãe não teve estudo, e a gente era muito criança, os amigos que ajudaram a fazer o enterro. E foi assim. Hoje a gente briga na justiça pra conseguir achar o corpo pra fazer tudo direitinho, agora que a gente pode", explicou a cantora.

"Ele tinha 44 anos e foi tomar banho. Minha mãe chamou. Meu pai era assim, quando minha mãe chamava, ele respondia logo. E a gente era louca nele. Ele era incrível. Ele não respondeu. A casa era de madeira, quando olhei pelas frestas, vi ele deitado no chão, lembro até hoje, com a água caindo nos pés", seguiu a cantora, bastante emocionada.

Simone, então, seguiu com o relato. "Como minha mãe não teve estudo, e a gente era muito criança, os amigos que ajudaram a fazer o enterro. E foi assim. Hoje a gente briga na justiça pra conseguir achar o corpo pra fazer tudo direitinho, agora que a gente pode", explicou a cantora.

Fonte: Ego

COMENTÁRIOS